A revolução das memórias HBM

A AMD superou as expectativas com as novas memórias HBM que compõe as recém lançadas placas de vídeo Radeon R9 série 3xx. Saiba como elas funcionam, alto alcance de banda, velocidade e os diferentes níveis de desempenho da HBM em relação a GDDR5. O uso mais eficiente da energia e a economia de espaço que o HBM traz norteiam as inovações em todo o setor de tecnologia em placas de vídeo.

HBM (High Bandwidth Memory), como o nome sugere, oferece ampla largura de banda de memória. O produto de parceria entre SK Hynix e AMD, Será dividido em 2 gerações; A primeira chega nas placas Radeon com até 2 GB por chip DRAM e velocidade de banda em torno de 128 GB/s, sendo possível empilhar até 4 chips de 1GB cada, com capacidade de 4GB. A segunda geração permitirá até incríveis 8GB de memória com o alto alcance de banda 256 GB/s.

Em comparação a tecnologia anterior, as novas memórias HBM alcançam maior largura de banda, como já visto, mas fazem isso utilizando menos energia do que DDR4 ou GDDR5. Isso por causa do empilhamento de até oito células de DRAM que se conectam, incluindo uma base opcional com controlador de memória, interligados através de microbumps e silício-vias (TSV). O chip HBM zera a contagem da eficiência em consumo de energia pela memória, oferecendo mais do triplo da largura de banda por watt do GDDR5. Chega a ser difícil comparar a HBM com outras memórias, como DRAM DDR4 ou GDDR5, tanto em desempenho quanto economia.

Quanto a interface, as memórias HBM são divididas em canais totalmente independentes e não necessariamente sincronizados, o que permite usar a arquitetura de todo a interface para atingir o máximo de velocidade.

O primeiro chip utilizando HBM é o AMD Fiji, que foi lançado em 24 de junho de 2015 na placa AMD Radeon R9 Fúry X, isso abriu as portas para para uma era revolucionária na fabricação de chips de memória, mas o que ele apresentou de tão diferente? Interconexões de comunicação ultra largas e uma configuração empilhada verticalmente, com isso, o ganho de velocidade na transferência de informações foi considerável, além da interessante economia de espaço.

A diferença física entre as memórias HBM e GDDR5 economiza espaço, algo que os fabricantes buscam mais a cada dia, crescendo a media que aumenta nossa expectativa por PCs menores e mais potentes. O espaço que se ganha num chip HBM, em relação ao GDDR5 permite adicionar outros dispositivos que aumentem ainda mais o desempenho.

gddr5 vs hbm

As novas placas com memória HBM, serão até 60% mais poderosas do que a tecnologia anterior, numa soma de alcance de banda, velocidade, desempenho e economia.  Esse alto desempenho chamou a atenção dos demais fabricantes e a NVIDIA tem planos de usar o HBM em suas próximas atualizações, então já podemos esperar novos lançamentos em breve, isso significa que num inevitável efeito colateral do avanço tecnológico, o GDDR5 está chegando ao fim.

HBM

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *