O barato sai caro parte 15

Com que direito você acha que tem ao reclamar de um notebook de R$ 999,00 que apresentou defeito?

Saiba que neste baixo custo estão embutidos os salários miseráveis que são pagos à população asiática e que compromete a qualidade de vida de todas as populações do mundo e a * obsolescência planejada dos fabricantes que está presente aí desde o século passado. E se você alegar que o seu salário não dá para comprar um computador de R$ 3.000,00, saiba que você já é vítima deste sistema e que continuar neste perfil, só vai piorar as coisas.

A população mexicana, por exemplo, tinha algum poder de compra enquanto algumas fábricas estavam no país, não só pelo desemprego que tinha caído mas também por causa de um salário melhor. Atualmente estas fábricas foram para a China por oferecer um salário mais baixo, então estas próprias fábricas estão sem os consumidores mexicanos por estarem desempregados e sem os consumidores chineses que não tem um salário que consiga comprar os seus produtos. Em breve a situação se alastra para todo o planeta e estes produtos viram apenas sonho de consumo para a maioria da população.

Mesmos os equipamentos caros como os da admirada Apple, considerada uma empresa jovem, inovadora e sustentável contribui com a miséria dos assalariados, contratando a Foxconn, a maior e mais cruel fabricante de eletrônicos do mundo, já denunciada várias vezes por condições sub humanas de seus operários, salários miseráveis, excesso de horas extras e trabalho infantil. Também utilizou da *obsolescência planejada nas baterias de seus iPods (vide o caso Westley contra Apple na justiça Norte Americana).

Neste perfil, muito poucos saem ganhando, os consumidores são lesados de forma que não desconfiam, os operários são escravizados e os fabricantes sofrem pressões da sociedade, do governo e das empresas que contrataram os seus serviços; os poucos que lucram realmente são os proprietários destas empresas dominadoras, e mesmo assim, são vulneráveis.

O leitor deve está perguntando por que pagar três vezes mais num aparelho que possui praticamente a mesma matéria prima de um que custa um terço do seu valor. É óbvio que este produto de alto custo tem que durar 4 ou 5 vezes mais e os fabricantes sabem muito bem disso, mas a maioria da população ainda não.

Outros devem dizer que é justo a *obsolecência planejada neste mundo capitalista, onde o giro é fundamental para manter este modelo de economia, mas lembre-se que é possível este giro de forma sustentável, priorizando a qualidade não só dos produtos adquiridos como também nas condições que são dadas aos operários.

Outra questão importante a ser levantada pelo consumidor é a responsabilidade ambiental que o fabricante possui. Muitos na Europa já abrem mão de um produto mais barato, mesmo que seja superior, porque não foi comprovado a sustentabilidade ambiental.

A responsabilidade social tem que começar pela própria sociedade.

* Obsolescência planejada é uma técnica que os fabricantes usam para que um equipamento se danifique após um período. Esta técnica está presente desde 1925 e tem como objetivo manter o consumo periódico da população e consequentemente a existência das indústrias.

3 thoughts on “O barato sai caro parte 15

  1. venancio j.e dacosta

    não vou me alongar no comentário, mas você disse tudo com muita propriedade.a sustentabilidade hoje é um fator preponderante nas minhas escolhas pessoais. muito oportuno e feliz o seu post.parabéns.

    Reply
  2. Felipe Duarte

    "Aproveitando o assunto" ...

    "E uma bola de neve"
    O dia em que "nos" cosumidores começarrmos a escolher, não so pelo preço mas sim por "N" fatores que agregam valor aos produtos pode ser que mude!
    " E barato, bonito, vou comprar... passa 4 meses eu troco foi so R$ 99,99!"
    Vai ser dificil acabar com isso!

    Reply
    1. Post author

      Digo ainda que as pessoas não são honestas ao vender os seus produtos, e se forem, pode ser que fechem em pouco tempo, pois ética e capitalismo não combinam. Então o que resta para as pessoas é a única coisa palpável que não tem como "esconder": O preço.

      Inicialmente esta é a única coisa que o consumidor vê e infelizmente o resto só poderá descobrir depois de comprar. Felizmente uma nova tendência está surgindo, embora ainda modestamente, mas em constante crescimento: Certificar-se dos demais valores e consequências. Isso se deve principalmente à nossa internet, que traz informações decentralizadas e de experiências reais.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *