Um tiro certo para o lado errado

a AMD, uma importante fabricante de processadores do mundo, só não teve um ano fiscal pior por causa de suas APUs (processadores com chip gráfico integrado) que tiveram sucesso tanto nos consoles de video games (Xbox One, PS4 e Wii U) quanto nos computadores de baixo custo para jogos.

iris pro

As plataformas que conseguiram um retorno mais relevante foi a AM1 e FM2, sendo que esta última possui chips gráficos de maior performance, conseguindo desta forma, oferecer a um baixo custo um desempenho para rodar os jogos 3D da atualidade.


Graças à aquisição ATI Graphics em 2006, a AMD conseguiu embutir os poderosos chips gráficos Radeon nos seus processadores. Embora a nVidia, principal concorrente da ATI, também tivesse fortes chips gráficos, não conseguia construir uma CPU que conseguisse concorrer. Já a Intel, embora tenha fortes processadores, nunca conseguiu elaborar um chip gráfico à altura dos demais concorrentes.

Como a AMD não conseguiu concorrer à altura com a Intel nos processadores de alta performance ou com a nVidia com os chips gráficos de alta performance, ela se destacou então com as APUs com boa relação de de baixo custo e performance relativamente elevada.

A Intel observando este importante mercado sendo liderado pela concorrente, elaborou finalmente um chip gráfico que conseguiu uma performance superior aos Radeons integrados. Estes chips são chamados de Iris Pro Graphics 6200, embutidos na sexta geração dos processadores Intel Core, com o codinome Skylake.

Porém, o tiro foi dado para a direção errada, pois os melhores chips gráficos da Intel não estão nos processadores de baixo custo, como foi feito pela AMD. Somente os chips gráficos integrados nos processadores Core i7 que possuem performance suficiente para derrubar as melhores APUs da AMD.

A questão é ninguém que está comprando um processador de alta performance como o Core i7 destinada para jogos quer usar o chip gráfico integrado da Intel, obviamente que o usuário vai usar uma placa de vídeo de alta performance como as GeForces ou as Radeons.

Desta forma, a AMD continua competitiva neste nicho de mercado, que promete ainda o lançamento de uma nova série que vai retomar a liderança na performance de APUs do mercado.

O que você acha que vai ocorrer? Comente!

3 thoughts on “Um tiro certo para o lado errado

  1. Paulo

    Parabéns pela matéria. Uma questão. Os processadores AMD não fazem frente aos da Intel por qual motivo?? Deficiência técnica da empresa ou opção por processadores mais baratos??

    Reply
    1. Post author

      Oi Paulo,

      Os principais motivos é primeiramente a tecnologia de fabricação, que ainda está em 32nm, contra os 14nm da Intel. Isso na atual arquitetura é muito importante para se obter menos consumo, menos aquecimento e consequentemente maior desempenho. Para se ter uma idéia, o único processador da AMD (FX-9590) que consegue concorrer com o Core i7-4790 consome 3x mais energia elétrica.

      Outro motivo é que a AMD mudou "a linha de raciocínio" dos processadores, uma aposta que deu errado, agora ela vai voltar a usar a mesma lógica que a Intel continuou nos novos processadores com codinome Zen.

      Há boatos de que a AMD vai usar fábricas de terceiros que já conseguem produzir chips a 14nm, juntamente com a arquitetura Zen da AMD, esta diferença competitiva tende a reduzir.

      Quanto a capacidade técnica de programação da AMD, ela é bastante competitiva, prova disso é o novo DirectX 12, baseado na tecnologia Mantle da AMD.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *